A Sociedade Perdida e o Homem Impotente

 


O Velho Vo, ainda atônito com a pergunta de Dud, continuava pensativo, como se fora despertado de um longo sono.

Afinal, se via envolvido na face amarga da vida.

Diante da dúvida, procurou encontrar alguma razão que justificasse aquela chacina internacional.

Súbito, desperta no tempo e sente a presença do homem e da mulher no Universo. Logo pressente a explicação daquela anomalia humana. Conclui depressa, mas com apreensão, que a sociedade - o corpo crescido pela proliferação dos seres humanos - ainda não atingira o patamar do Saber.

Esse complexo global de pessoas e coisas não consegue encontrar o ponto de equilíbrio da paz.

Então, com cuidado e usando uma linguagem simples, esclarece os meninos e diz que aquele momento significa o avesso da vida, o cúmulo da miséria humana.

Na história das guerras de 1914 e 1939, ressaltam efeitos trágicos para a sociedade humana.

Com essa mesma lógica belicista, caminha a Humanidade, no início do século XXI.

Prova clara de que o homem e a mulher permanecem omissos e continuam individualistas.

Aí está o cerne da violência e, em conseqüência, a origem do desentendimento que muita das vezes conduz à luta e à morte, no atacado e no varejo, apesar do progresso material da cultura humana, que todos poderiam usufruir.

Nesse momento o Velho Vo admite que o mal continua a predominar no espírito das pessoas.


O Homem Impotente

 


Após essas elucubrações, o Velho Vo, volta-se para os seus anos de vida vividos no Brasil, terra onde viu a luz, precisamente na cidade do Rio de Janeiro, nome de uma pequena parte da região do globo, situada no litoral leste da América do Sul.

 


 

SANTA RITA DE CÁSSIA

 

O Brasil é um país continente onde habitam milhões de homens e mulheres, velhos e crianças, prole humana originária de índios nativos e mais um punhado de raças de algumas outras partes do globo terrestre.


T. ARTE PROIBIDA . CURITIBA . 2001

 

Na imaginação, vem a idéia de que a existência ou experiência individual nada valem para ajudar pessoas em desespero, condenadas porque pensam diferente, e que outros bilhões de seres humanos, igualmente, não são capazes de evitar a "matança legal".

Os algozes não mudam, não ouvem os apelos para evitar o ato de "vandalismo humanitário":

"Nem poderia", ponderou: "uma andorinha só não faz verão", e também...à distância...nem gritando, a plenos pulmões, seria ouvido".

 


Para concluir vaticinou:

"O homem acostumou-se a aceitar o seu próprio flagelo e convive com as chagas humanas, quem sabe, na esperança de que, assim procedendo, passará despercebido da ira daqueles que se proclamam senhores do Mundo e da Vida".

 


Na mentalidade egoísta, o homem vale pelo potencial econômico que representa. Se for considerado um fator de risco, ocioso ou inútil...piedade" !!!


"O homem só é grande e só se educa para a grandeza a seus semelhantes, quando tem a coragem de viver as suas idéias e morrer por seus ideais"

HUBERTO ROHDEN



AVANTE