O Velho Vo diante da Paz

 

"A paz é um imperativo transcendente da Humanidade, e os homens clamam desde o princípio dos tempos.

Para assegurar essa informação, cito o episódio bíblico da tôrre de Babel ¹, que registra o momento em que DEUS feriu o orgulho dos descendentes de Sem, que não se entendiam, e espalhou-os pela Terra.

Quantas outras vezes a mão de DEUS chegou ao homem mudando o curso da história humana?

Ora, a linguagem de DEUS é transmitida no tempo e no espaço, e passa de lábio em lábio ou de ação em ação, para a mais ampla compreensão e obediência. Mas não só nas palavras, como nas ações humanas, encontram-se os sinais dessa linguagem, eles estão em todas as criaturas e prontos para serem sentidos, entendidos e exercidos.

Faça esta sintonia e você recebe os sinais...

O presente é a luz onde se descortina o exercício da Vida, e é por este facho que o homem vive e convive. Assim, é no rasto do "dia a dia" que acontece o encadeamento dos momentos em que se produz e renova a experiência e onde se situa o cenário da tragédia humana; tudo mergulha num inesgotável campo de observação e de reflexão, e serve como lições para o aprendizado do próprio homem. Além disso o presente tem a função singular de ligar os tempos, passado e futuro, e, no plano dos acontecimentos, espelhar homens e mulheres, exemplos de todos os matizes, bons ou maus.

Desta conjunção se infere que o presente é o lugar das relações humanas onde vicejam as virtudes e os vícios da criatura humana e de onde floresce a harmonia ou encerra a desgraça dos homens, e você deve ter em mente que é nesta dinâmica que interagem todos os valores necessários para estabelecer e manter o equilíbrio entre as pessoas.

 

Santo Padre PAPA JOÃO PAULO II

Para sua Santidade JOÃO PAULO II

"paz verdadeira só com fim das injustiças e desigualdades"

transcrito do jornal O DIA, Rio de Janerio, 9/9/2003.

 

A memória não mente e sugere...

O Estado laico é um Estado degenerativo: a sociedade sob seu governo se degenera.

Senão, veja:

a Democracia é decadente ;

a Declaração Universal dos Direitos do Homem proclamada na revolução francesa - 1789, fim do feudalismo e início da 1ª. República - e aprovada pela Assembleia Geral da ONU, em 10 de dezembro de 1948, é letra morta, distante da realidade atual ;

Artigo 1 °. Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para os outros em espírito de fraternidade.

a lei perde o primado do sentido humano e, como corolário,

a desigualdade e a miséria prosperam como estigmas da injustiça.

A grande família soma bilhões de pessoas.

Todo o desarranjo que aflige essa multidão resulta no estado de anomia atual, gerado pelo desrespeito e agravado pelo desvio da política e o conseqüente descuido pelo ser humano, enquanto se exaltam animais e vegetais: a lei, pelas circunstâncias, apena com mais gravidade aquele que corta uma árvore inconveniente, do que aquele que mata uma criança.

Assim, constato, no limiar do Terceiro Milênio, que a sociedade humana está dividida, subdividida, desagregada e degradada, paralisada entre a opulência e a miséria. Nem a oferta natural abundante e mais o desenvolvimento instrumental atingido, conseguem atender a honra do ser humano.

O preconceito, a intolerância e a intransigência impedem que o homem encontre o entendimento para resolver as suas diferenças.

O conflito se avoluma entre homens, nações e povos. As causas alegadas desses conflitos continuam a reativá-los. Essa histeria individual e coletiva, que se generaliza, traz a sensação do desentendimento indeterminado e significa a tendência irreversível do homem para a guerra, como dizia Thomas Hobbes, que formulou o estado de natureza.

Não há amor na consciência do homem.

Nessa progressão os homens se autodestruirão e sobreviverão apenas a flora e a fauna.

O bem geral, a paz e a felicidade não passam de uma quimera.

A dignidade humana está violada.

Você deve dizer: assim se passam os dias...para cada novo dia, um novo porvir...

Você tem razão. Mas, lembre-se: a paz é o objeto supremo da alma.

E é com essa convicção que se dará a vitória do bem sobre o mal, a prevalência do espírito sobre a matéria, a supremacia do homem de DEUS.

Para reafirmar essa certeza ressalto o detalhamento das minhas observações, sobre algumas manifestações que continuam a aguçar a inteligência.

Começo pelo respeito , o paradigma da igualdade: quando ele se mostra pela humildade é sinal de que você é temente a DEUS.

Observe...

No relacionamento de DEUS com o homem, é clara a relação de poder e o vínculo da obediência.

Mas o homem rompeu esse compromisso e fez da Humanidade uma ordem social sem a desejada harmonia.

Caim matou Abel. Primeiro ato de desentendimento entre os homens que desenvolveu-se numa chaga social permanente: a inveja, pomo de discórdia da relação humana, que prenunciou um porvir de infortúnios. Esse vício permanece como gigante da alma a fomentar a desunião dos homens.

O egoísmo que provém do materialismo e o altruísmo que deriva do espiritualismo, são abstrações mentais que reunem todas as variações do comportamento humano, tanto no aspecto individual, quanto na convivência social. Daí emergem as sociedades, mais desiguais ou mais fraternas. O comportamento e o relacionamento, portanto, permanecem como dois componentes humanos ambíguos, que se anulam no caminho para a felicidade.

A liberdade e o livre arbítrio são os atributos elementares da personalidade que indicam o poder de DEUS, além do ato de Creação do ser humano. São essenciais como a Vida. São os fundamentos em que o homem define o seu próprio curso terreno: a liberdade, para que possa conquistar autonomia e exercer as suas potencialidades; o livre arbítrio, para poder escolher o melhor caminho para manter a liberdade.

 

        Anjo Barroco

Por último o amor ...

Como o ápice da virtude que o homem e a mulher podem alcançar, o amor está dentro da alma e representa o sinal mais eloqüente da presença de DEUS, como insinuou Platão. Não se trata de uma emoção provocada pela imaginação, como mantém Hobbes. O amor é a própria essência de DEUS. Atingir esse patamar é optar pelo reino da Glória e a glória está em DEUS.

      Tharsis - T. Antiga do Meier - RJ.2000

 

Agora, anuncio o derradeiro paradigma da vida, a justiça.

A justiça é a conseqüência da igualdade e será alcançada quando o homem e a mulher se reencontrarem com DEUS, aí estará recuperado o predicado impar da sociedade humana, a fraternidade, de acordo com a mensagem de Jesus Cristo, que pregado na Cruz, referindo-se a João, disse para Maria, sua Mãe: "MULHER, EIS AÍ TEU FILHO", e olhando para João: "EIS AÍ TUA MÃE"³.

Em palavras simples: todos somos irmãos.

Logo, com igualdade, os homens se entenderão, então a justiça será alcançada, a miséria será extinta e haverá paz".

 

O Velho Vo enuncia a Décima-Sexta Conclusão Grave desse estudo

 

IGUALDADE, JUSTIÇA E PAZ

O OURO DO III MILÊNIO

 

 

¹ Babel, tôrre - Genesis 11, Antigo Testamento, Bíblia Sagrada

² Barroco brasileiro. Aurélio - Século XXI

Estilo próprio das produções artísticas e literárias do Brasil nos sécs. XVII, XVIII e princípios do séc. XIX, e cuja expressão principal é a arquitetura e a escultura sacra, de que foi intérprete máximo Antônio Francisco Lisboa, dito o Aleijadinho (c. 1730-1814).

³ Evangelho de S.João - 19,26 - Novo Testamento, Bíblia Sagrada

 

 

AVANTE